Home O SIMESP Serviços Financeiro Comunicação Notícias e Eventos Contato Links
Simesp
Área do Médico

Associe-se Atualize seus dados Faqs Certidão de Quitação
Comunicação
 


   Editoria: De: Até:    

08/03/2018
Contra confisco do prefeito João Doria, servidores municipais entram em greve
 

SIMESP
Importantes sindicatos da cidade de São Paulo decidiram, na tarde de quinta-feira, 8, entrar em greve até o dia 15 de março, quando haverá uma audiência pública na Câmara Municipal para discutir o projeto do prefeito João Doria que promove violentas mudanças na previdência do município. Em meio ao difícil quadro econômico do país e ao “reajuste” salarial de 0,01% oferecido no ano passado, Doria ainda quer aumentar a contribuição previdenciária dos servidores de 11% para até 19%.

O Sindicato dos Trabalhadores na Administração Pública e Autarquias no Município de São Paulo (Sindsep) e o Sindicato dos Profissionais em Educação no Ensino Municipal de São Paulo (Sinpeem), entre outros, decidiram manter a paralisação que se iniciou hoje até a próxima quinta-feira, 15 (quando irão se manifestar em frente à Câmara).

A decisão se deu durante protesto, ocorrido no centro de São Paulo, que bloqueou completamente os acessos à sede da prefeitura. O Sindicato dos Médicos de São Paulo (Simesp) participou da manifestação. “O que nós temos diante da gente é uma proposta de desestruturação completa do funcionalismo público”, disse, aos manifestantes, o presidente do Simesp. Eder Gatti classificou a proposta do prefeito como “absurda”. “Vale a pena lembrar: ataque ao servidor público é ataque ao serviço público e quem sofre com isso é a população”, alertou.

“Confisco”

Para a médica Miriam Eli, o que o prefeito João Doria pretende fazer “é um confisco”. Confisco, aliás, foi algo que muitos dos manifestantes falaram ou exibiram em seus cartazes e faixas na tarde nublada desta quinta-feira. “Nós, do funcionalismo, estamos há anos sem aumento”, lembra. Mas ela ressalta que durante a gestão do ex-prefeito Fernando Haddad, ao menos, houve a reestruturação das carreiras da área da saúde, o que proporcionou ganhos financeiros com a incorporação de benefícios.

“Essa mudança que o prefeito está querendo fazer é muito ruim pra nós trabalhadores, pra quem já se aposentou e para os novos”, acredita a homeopata Cecília Helena Busko. Em sua opinião, a tentativa de aprovar o projeto rapidamente é para impedir que os afetados se informem e se mobilizem. “Não tem transparência”, acrescenta.

A fisioterapeuta Glaucia Reins, que trabalha no Hospital Maternidade Vila Nova Cachoeirinha, na zona norte de São Paulo, critica o desrespeito com que os servidores municipais têm sido tratados. “A gente vê a dedicação, o amor, o compromisso de todos os profissionais que ali atuam e, de repente, a gente se vê numa situação em que o nosso futuro está extremamente comprometido”, lamenta.



Siga-nos

Fan page: https://www.facebook.com/simespmedicos

Youtube: https://www.youtube.com/simespmedicos



Voltar



O SIMESP Serviços Financeiro Comunicação Notícias e Eventos Contato  Links
- Diretoria
- Regionais
- Estatuto
- Processo Eleitoral
- Perguntas frequentes (FAQ)
- Associe-se
- Atualize seus dados
- Assessoria Jurídica
- Processos online
- Campanhas Salariais
- Convenções Coletivas
- Cálculo de I.R.
- Homologação
- Banco de Empregos Médicos
- Banco de Imóveis da Saúde
- Mural de Devedores
- Simesp+
- Tipos de Contribuição
- Calendário de Cobrança
- Certidão de Quitação
- TV Simesp
- Revista DR!
- Jornal do Simesp
- Simesp Esclarece
- Movimento Médico
- Simesp na Midia
- Cultura e Arte

Sede: Rua Maria Paula, 78 - 1º ao 4º Andar | São Paulo - SP | Cep: 01319-000 | Fone: (11) 3292-9147 - | Fax: (11) 3107-0819